7º Princípio Ágil

Postado em

fita-metricaSoftware funcionando é a principal medida de progresso

Muitas vezes, temos visto equipes de projeto que não percebem que estão com problemas até pouco tempo antes da entrega. Eles fizeram os requisitos no prazo, o projeto em tempo, talvez até mesmo o código no tempo previsto, mas os testes e a integração demorou muito mais do que eles imaginavam.

A metodologia ágil, com suas curtas iterações permite ao cliente ter o conhecimento de como o projeto está evoluindo, ou não. Ao final de cada iteração é esperado um incremento do produto, ou seja, software funcionando. O trabalho de uma iteração não pode quebrar o que já está funcionando, ao contrário, deve agregar mais valor ao que já se tinha. Portanto, o importante é entregar ao final de cada iteração o produto funcionando com o que foi priorizado a ser feito.

O produto sendo incrementado a cada iteração, permite ao dono do produto avaliar se o que já se tem está de acordo com o esperado ou não. Como Martin Fowler e Jim Highsmith disseram: “Software funcionando é a medida de progresso, porque não há outra maneira de captar as sutilezas dos requisitos…” Nem sempre a especificação do sistema consegue expressar de forma precisa e exata o que se espera do software. Mas ao vê-lo funcionando cria-se uma dinâmica, onde o dono do produto e a equipe possuem base para discutir o que ficou bom e o que não ficou e o que pode ser melhorado e acrescentado.

Soma-se também o fato de que se o projeto tem risco de insucesso, é melhor saber o quanto antes para que medidas sejam tomadas. O objetivo do desenvolvimento de um projeto, acima de tudo, é ser bem sucedido. Não é desejo de ninguém nadar, nadar e morrer na praia. Mas infelizmente é possível isso acontecer e por diversas razões. Exemplos:

  • Deixar os testes para o final e perceber que o que foi implementado está falhando e não há mais tempo e orçamento para correção.
  • O sistema implementado agrega pouco valor para o usuário final.
  • O sistema tem a usabilidade baixa e com isso o sistema fica sem uso ou até mesmo nem chega a ser implantado.
  • O que foi implementado não era exatamente o que o dono do produto queria.
  • O sistema está com diversos bugs dificultando o seu uso.
  • O sistema já não tem mais valor, pois a conjuntura atual já é outra diferente de quando o sistema foi encomendado.
  • O orçamento do projeto estourou e o que se tem implementado para lançamento não é o que de mais valor o sistema possui.

A lista é enorme, quem trabalha com desenvolvimento de software conhece. Portanto, se queres avaliar como anda o progresso de seu projeto, comece avaliando como está o funcionamento de seu software. A cada iteração a equipe entrega o software funcionando com mais valor agregado? Se sim, estás no caminho certo. Continue nesse caminho de agilidade, que todos serão beneficiados: equipe e dono do produto, que ao final de cada iteração se sentem satisfeitos por verem o Retorno do Investimento em forma de produto. Fonte – http://blog.myscrumhalf.com/2011/09/7%C2%BA-principio-do-manifesto-agil/

“Quanto melhor é adquirir a sabedoria do que o ouro! E mais excelente, adquirir a prudência do que a prata!” Provérbios 16:16

Anúncios